E depois da vida de Au Pair… o que acontece com a gente?

Bão, meu povo! Essa semana foi um inferno pra mim, por isso só consegui postar uma vez! Mas para que a sexta-feira não passe em branco, tá aí um post mais do que especial (e importante) pra vocês lerem!

Deixa eu explicar: a Paty Waetge é leitora aqui do meu blog (uma das minhas favoritas, adoro os comentários sábios que ela faz!) e entrou em contato comigo há algum tempo contando sua história, que eu achei muito interessante. A Paty é ex-Au Pair, já passou por essa experiência doida e tem muita história pra contar.

Como vivo dizendo que cada vida de Au Pair é de um jeito e que nunca será igual pra ninguém, achei bacana vocês lerem um pouquinho o depoimento de outra pessoa, mesmo que seja através do meu blog. O mais interessante é saber o que aconteceu com a Paty depois que o ano de Au Pair dela acabou… essa semana ela tá indo visitar a host family com quem ela viveu alguns anos atrás pela SEGUNDA VEZ! E quando voltar, vai contar pra gente como foi reencontrá-los :)

Bom, tá aí o texto dela, espero que gostem! Logo, logo eu volto com mais das minhas novidades (que nem andam tão boas assim, pra falar a verdade) e as fofocaiadas que eu sei que vocês a-d-o-r-a-m. Origadíssima pela iniciativa, Paty! :)

“O que estou fazendo aqui

Fui Au pair em 2007 e agora em fevereiro vou visitar a minha american family, que se mudou recentemente da Califórnia para Praga (Rep. Tcheca), então achamos que seria legal vocês lerem essa história de uma vida pós-Au Pair. Então, aqui vai uma introduçãozinha, pra vocês entenderem um pouco do que foi meu ano, e assim que voltar de Praga, conto como foi!

Eu

Tenho 23 anos. Hoje sou arquiteta, mas quando embarquei tinha completado apenas um ano de faculdade.  Fui com 18 anos, nova demais, recomendo ir mais velha, mas ainda assim foi o melhor ano da minha vida. Fui na hora certa da minha vida pra conhecer as pessoas certas.

Kids

Gêmeas de 1 ano e 3 meses (quando cheguei). Fiquei o ano todo com eles, portanto, quando fui embora elas tinham 2 e 2 meses (fui embora 15 dias antes da data certa, autorizada pela APC, pra não perder mais aulas na faculdade)

Relação com os hosts

Ótima! Eram como se fosse família mesmo, sempre me tratando super bem e fazendo coisas pra agradar. PORÉM, convivência é convivência e tive sim meus momentos “quero sair daqui!”.  Quando voltei, mantive um contato razoável com a família, eles sempre muito afetuosos. Tiveram outras Au Pairs também depois, mas não sei o quanto ou se elas mantém contato.

Lugar

San Francisco, California (na Bay Area). Quando cheguei, morávamos em Oakland (cidade grandinha lá), 3 meses depois mudamos para uma cidade BEM menor, BEM subúrbio, chamada Orinda (sério…).

Schedule

PESADO (não tanto quanto o da Bia, eu acho. Afinal, ela tem duas kids a mais). Final de semana dá pra contar nos dedos os que eu trabalhei. Pra compensar durante a semana, eu trabalhava sempre mais que 10 horas por dia, então ganhava extra (não pode, mas não vamos contar pras coordenadoras de área, né). Cheguei a trabalhar até 12 horas às vezes. Mas na real, eu preferia descansar a ganhar o extra (isso pq eu ganhava 140 por semana! Depois foi pra 160). Tudo isso considerando que elas eram toddlers, não iam pra escola ainda. Só duas vezes por semanas das 9h ao 12h, mas dormiam por 3 horas toda tarde.  \o/

Lugares que conheci

Aí tem fotos de alguns. Eu estava sempre pobre por estar economizando pra alguma viagem. E não me arrependo, viajar é LINDO! Foi no que foquei grande parte do meu salário.

Visita Julho 2010

Voltei pra visitar em Julho de 2010, as meninas com 4 anos e meio! Fiquei um mês com eles e foi muito bom! Me levaram pra ver vários lugares e me trataram super bem, as usual. Uns altos e baixos, pois muita coisa havia mudado. As meninas não respeitam muito adultos e estão meio desregradas. Obviamente não se lembravam de mim, afinal, tinham 2 anos quando fui embora, mas sempre souberam que eu existia e quando cheguei foi mágico!!! Elas me abraçaram como se lembrassem e foram as mais fofas EVER a maior parte do tempo.
Detalhe do meu aniversário que é 4 de Julho, então tive uma segunda oportunidade de ter um aniversário animado a la americanos! =]

 O que aprendi como Au Pair

APERTAR O F***-SE E SER FELIZ! Foi a lição mais importante e o que eu acho é que esse é uns dos motivos pelo qual a Bia é tão feliz como Au Pair. Gente, coisas ruins acontecem! Mas vamos lá! Ninguém está indo ser Au Pair pra ser infeliz, muito pelo contrário, é um ano com grande potencial pra um dos melhores da sua vida. O negócio é SER FORTE! Só quem pode fazer o ano de vocês ser bom, são vocês mesmas! Não dependam de ninguém! Nem a família mais legal vai fazer vocês felizes se vocês não se permitirem, afinal, como sempre digo, até a família perfeita tem problemas (o de não existir haha). Família ruim também não pode te impedir de nada não, eu sei que não anima, mas né, temos opções. Rematch é ruim? Sem dúvidas! Já assisti de perto, mas se preciso GO AHEAD! Vá atrás da felicidade! E acreditem, existe felicidade pós rematch! 
A relação com a família é importante sim e pelos motivos óbvios. Mas não precisa ser a família perfeita não, meninada! Esperar isso é muita chance de se frustrar depois! Esperem o mínimo necessário de uma família, uma relação boa, e já tá bom demais! Não precisa se sentir filho/sobrinho dos hosts pra ser feliz! Prometo! É bom se sentir assim? É! Mas dependendo da família, as vzs é até melhor não! Hahaha
E outra coisa! Americano é americano! Ponto. Minha host, por exemplo, é toda cheia de abraçar e ser carinhosa, mas mesmo se ela te abrace de boa noite e diz que te ama, na manhã seguinte parece que vc pegou o marido dela! Hahaha Super seca! Ela é bipolar? De lua? Não!!!! Ela é AMERICANA! Não é natural pra gente no começo, nos sentimos meio mal, mas depois acostumamos.
Outra dica importante: quando vocês estiverem na vida de Au Pair, um ano parece uma eternidade. Então sempre deixamos algo pra fazer depois, afinal, temos tempo, certo? Errado! Chega no fim do programa você percebe que tem coisas que não fez, lugares que não viu! O ano todo que você tinha se transforma em um mês, uma semana. Aí é tenso! Haha Não adiem tudo sempre pensando que tem tempo!!!

E pra finalizar uma frase que diz tudo sobre meu ano Au Pair: “Quem diz que infância é a fase mais feliz da vida, é porque nunca fez intercâmbio”. (Autor desconhecido, não roubei da Bia, prometo!)

É isso aí, meninas! Vejo vocês em março!”

Bom, pessoal. É isso!!!

Não sei se todo mundo que acompanha esse blog também acompanha meus posts no blog do EmbaixadorSTB! Bom, tem post meu lá essa semana e tem outros chegando sobre algumas viagens que eu não havia escrito antes! Uma delas é de quando fui visitar meu inglês pela primeira vez aqui nos EUA, quando ele ainda tava morando na Flórida. Acompanhem lá :)

E pra quem ainda tá no começo do processo, andei postando bastante posts para esclarecer dúvidas sobre o programa… acho que vai ajudar bastante gente. Pelo menos ajuda mais do que ficar sabendo dessa minha novela mexicana :P haha

Beijo pra todas vocês e um ótimo final de semana! Volto assim que possível!


Comentários

Comentários

25 Comments

  1. Vanessa Vital   •  

    Oiiiiii,

    Paty: Own *-* mais que fofas as criançaaaaasssss, Boa sorte na sua viagem e curtaaaa muuuuitooooooo!

    Depois que você voltou ao Brasil, a vida auperiana ajudou muito? – sim eu sei, pelo inglês fluente, é claro – mas a arranjar empregos e tals. #obviovanessa ¬¬

    e sei lá, foi dificil se adaptar de novo ao Brasil?

    E Bia, ela disse também que foi com 18 anos e tals e que recomenda ir mais velha,

    desanimei, kkkkkkkkkkk, não, brincadeira, eu ainda não sei quando vou ter coragem para ir de vez! Aliás eu não sei de muita coisa ): kkkkk

    Acho que eu mais tenho medo da volta do que da ida, mas enfim!

    Suuuuperrr bacana os posts pra ajudar!

    E também amoooooooo sua novela mexicana, fato. kkkkkkkkk

    Volta logo pra contar tudooooooooo, ADORO mesmo uma fofoca! kkkkkkk

    Beijos, beijos.

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Oi, Vanessa! Vou responder só porque sempre digo que respondo, mas vou avisar a Paty que tem pergunta pra ela aqui no blog, tá???
      E olha… eu tb SUPER recomendo vir mais velha, acima de 21, que é a maioridade aqui nos EUA! Já comentei disso em outros posts…
      Beijão pra vc e obrigada pelo comentário fofo. Logo logo eu vorto com minhas fofocas :)

    • Paty   •  

      Oi Vanessa! Lindas minhas nenes né? =]

      Entãaao, minha volta não é uma história muito animadora! Hahaha Eu sofri DEMAIS pra voltar. Ainda tive que conviver 15 dias com a menina que ficou no meu lugar (La Usurpadora)…. resultado: voltei magrinha pro Brasil! Ainda voltei num dos piores semestres da faculdade e fiquei um tempo sem me adaptar na nova turma. Então só depois que voltei, acabou o semestre, que tive tempo de botar a cabeça no lugar…

      É um dos maiores motivos pelo qual recomendo ir mais velha. A canceriana aqui se apega facinho, e parece que de 18 pra 23 anos não tem muita diferença, mas tem sim! Pelo menos pra mim! Então eu não soube lidar mesmo com umas coisas, sofri muito, morri de ciumes, enfim… Acho que hoje eu teria lidado diferente com tudo, apesar de que se eu não tivesse passado pelo que passei, não teria aprendido o tantão que aprendi. Na época mesmo eu sabia que eu não devia estar daquele jeito, o que me fez sofrer também, pq ainda assim eu não conseguia me sentir diferente.

      Vida pós Au Pair sobre emprego, sinceramente não posso dizer muito. Eu tinha feito uma ano só de faculdade e ainda tinha mais 4 pela frente! E fiz arquitetura, então pra estágio mesmo, que somos basicamente desenhistas, do que me valeu a experiencia de Au Pair e o ingles? (Não to falando da experiencia de vida, ta? Que é fantástica). Então vamos dizer que não voltei pro mercado.

      Inglês o segredo é continuar praticando depois que voltar, senão vai indo embora devagarzinho!

      Mas sobre idade, eu tive sorte com amigas maravilhosas (todas 24 anos pra cima), que nunca prendi por ser menor e não poder acompanha-las, mas elas sempre me acompanharam muito bem tbm! Sei lá, deu super certo. A família é praticamente minha família, se eu fosse ser Au Pair mais velha talvez não teria conhecido, fiquei num lugar que amei e vivi experiencias maravilhosas.

      Ainda assim, repetindo, acho que teria lidado melhor com certas coisas mais velha! (Não sou muito de beber e sair, então sobre isso não me frustrei muito lá)

      Mas as coisas sempre se ajeitam no final, não demorou tanto até eu começar a me adaptar legal aqui. Assim como nós fazemos nossa felicidade lá, nós fazemos em qualquer lugar. A gente sabe que ficar lamentando não resolve nada, então bola pra frente que a vida ta ai!

  2. Lane   •  

    Ahhh, A-D-O-R-E-I o post!!!

    e tao bem saber um pouco do depois, ne? estamos sempre querendo saber o que vai acontecer com a gente as vezes por isso visitamos blogs, e mesmo sabendo que NADA e igual p NINGUEM bom ver boas experiencias e relatos :)

    muito obrigada, paty! amei seu texto e fico muito feliz por voce, de coracao! espero que tenha uma otima viagem p ver sua hf!

    bia!! ja to a mil de curiosidade por voce! e saiba! to torcendo sempre,ok?! vai ficar tudo bem! pode ter certeza o/ e venha sim com mais bafoes, porque nos adoramos :DD

    beijsos, suas lindas :***

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Oi, Lane!!!!!!
      Que bom que gostou do post da Paty!
      Beijão, querida! Espero te encontrar logo por aqui :)

    • Paty   •  

      Que bom que gostou, fico feliz =]

      É, a gente tenta botar o pé das meninas no chão, mas também não pode desanimar, né? Histórias boas existem sim! Haha Mas mesmo as boas tem as partes ruins, as ruins as partes boas, e no final tudo vale a pena!

      Beijo

  3. Edison Junior   •  

    Depoimento de pai pode? Então lá vai.

    Dá uma certa angústia ver um filho ou filha partir (na nossa opinião) tão novinho para ficar um ano fora. Mas é um sentimento pra lá de compensado pela alegria estampada em seus rostos e pela perspectiva de que voltarão mais amadurecidos e mais preparados para a vida, maiores e melhores como pessoa. Os relatos que vemos sobre o sistema Au Pair nos dão uma garantia de que é coisa séria e segura – o único risco é pegar uma família chata, mas até isso serve de aprendizado. A comunicação é fácil com internet, skype, facebook etc., provavelmente os pais conversarão muito mais com seus filhos quando eles estiverem distantes, a única coisa que ficará faltando é o abraço e o beijo.

    Coragem, pais, vale a pena!

    Edison

    (pai da Paty)

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Nossa, quase não acreditei quando li seu comentário, sr. Pai da Paty!!!
      Fiquei super feliz e já mostrei pra ela antes de aprovar!
      Gostei muito da sua visão sobre esse programa de intercâmbio e sobre o sentimento de ver um filho passar tanto tempo longe de casa, suas palavras parecem até com as que os meus pais sempre usam!
      Muito obrigada por comentar aqui e compartilhar sua opinião!
      Beijão e parabéns pela sua filha. Eu como Au Pair tenho muito orgulho de tudo o que ela viveu aqui, pois eu sei bem que não é fácil!!!

    • Paty   •  

      “Dentro dos meus braços

      Os abraços hão de ser milhões de abraços

      Apertado assim, colado assim, calado assim

      Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

      Que é pra acabar com esse negócio de viver longe de mim

      Não quero mais esse negócio de você viver assim

      Vamos deixar desse negócio de você viver sem mim”

  4. Paty Vilhena   •  

    Adorei o texto dela, resumido e contando tudo ao mesmo tempo, muito legal!

    O que ela falou é verdade, quem faz a viagem boa é vc mesmo, não tem ninguém que vá fazê-la ser boa, só vc mesmo!

    Por isso que eu acho importante vc ver as coisas pelo lado bom e procurar não se esquentar com as coisas ruins, porque se não vc fica se chateando e acaba estragando todo esse momento que vale muito a pena.

    Achei super legal ela ter voltado para lá.

    Bia, continuo amando seu blog, sempre fico ansiosa para os próximos posts.

    Ainda não estou online, atrasaram umas coisinhas, mas agora está tudo ok e só estou esperando a ligação para ficar on! Fica na torcida por mim!

    Boa sorte aí bia e relaxa que as coisas vão ficar boas, pensa no seu príncipe inglês.

    Aaaa, ameii esse cantor inglês, muito boas as músicas dele.

    Beijos

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Oi xará da Paty!!!
      Que bom que gostou do texto dela :) E adorei seu comentário, vc parece ser bem cabeça aberta e é disso que o programa precisa!!! Temos que focar nas coisas boas, mesmo que o mundo esteja desabando!

      Estou sempre na torcida por todas as minhas leitoras!!! Tenho certeza que vai dar td certo.
      Beijão!!!

    • Paty   •  

      Oi xará!! Adorei seu comentário, principalmente falando que resumi e contei tudo ao mesmo tempo! To o maior orgulhosa, to tentando parar de querer explicar tudo demais! Hahaha

      Boa sorte na sua jornada! E aproveita até essa ansiedade antes de ir que no final vc ve que na verdade é uma delicia de feeling, essa expectativa!

      E também gostei do Ed Sheeran! hehehe

      Beijo

  5. Luana M.   •  

    Adorei esse post! É uma das dúvidas mais famosas nesse processo de ser Au Pair! Sim, vou largar/parar tudo e depois como fica? Não dá pra dar pause na vida e logo em seguida dar um play como se tudo voltasse de onde parou, claro. No entanto, o bom disso tudo é lembrar o que se vai vivenciar nesse período de tempo. Prazer Patty, adorei ler sobre sua experiência e cada dia mais me apaixono por tantas histórias incríveis como a sua! Mas tenho uma dúvida, em termos acadêmicos é isso que me preocupa. Trancar um ano de faculdade ou se formar e voltar um ano depois não dificulta ?

    beijão ;*

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Oi, Luana! Que bom que gostou do post da Paty!!!

      Olha, eu também tranquei faculdade pra vir… o que vc quer dizer com dificulta? Dificulta visto, dificulta se formar ou oq?
      É mais facil conseguir o visto com faculdade trancada porque é considerado um vinculo! Mas o problema é ter animo pra terminar as aulas qdo voltar pro Brasil! Eu mesma nao sei como vou fazer isso haha
      Beijo!!!

    • Paty   •  

      Obrigada! Fico feliz que tenha gostado!

      É tudo tão relativo… depende da carreira que vc escolheu. O que a Bia disse é com ctza importante (não essencial) pro visto: faculdade é um vínculo.

      O ruim de ir ainda estudando, primeira faculdade principalmente, é que vc meio que fica presa, sabe? Ainda mais eu que só podia trancar um ano na minha faculdade (ainda bem, pq agora já me formei, ufa). Fora que vc sempre pensa que ainda tem que voltar, terminar faculdade, da uma certa preguiça hehe

      Ir LOGO após acabar a faculdade, dependendo do que vc escolheu, pode fazer vc perder certas oportunidades que te dariam futuro numa carreira, aí é uma escolha mais dfícil de ser tomada. Mas vc que terá que saber o que quer da vida, e o Au Pair sem dúvidas vale a pena!

      Mas não sei… difícil dar uma resposta certa sobre isso, é tão de menina pra menina, carreira pra carreira. Acho que cada uma tem que analisar suas prioridades e possibilidades, a hora certa pra ir e tal.

      Beijo!!

  6. Camila   •  

    Oii Bia,

    Não sei se vc lembra de mim, mas nos vimos algumas vezes no Delta, aqui em Campinas. Achei seu blog sem querer, fuçando no google, hehehe!

    Foi até engraçado, pq comecei a ler um post seu e de repente vi uma foto, aí pensei: ” Nossa, parece uma menina que conheci, amiga do Borges!”

    De repente li a frase: “…surtando com AC/DC no Delta…. can’t wait!!!”

    E não é que era vc mesma?! hauhau

    Estou indo pros EUA este ano, como Au Pair e achei muto legal saber que vc está nesta vida! hehehe

    Espero que possamos manter contato! :D

    Beijos e até mais!

    • Beatriz   •     Author

      Oi, Camila!!!
      Menina, lógico que lembro de você!!! Vc tocava (ou toca) num Kiss cover, né? Que legal!
      Nos vimos várias vezes no Delta, mas nos falamos poucas vezes.
      Que bacana saber que você tá vindo pra cá! Já tem data certa?
      Super boa sorte no seu processo!!!
      Beijo grande!

  7. Denize   •  

    Ah, então é possível sobreviver a essa experiência? Bom saber que vou voltar viva…

    • Paty   •  

      Mais difícil que sobreviver, é fazer isso com dependentes de você agregados, no caso as kids! Hehe

  8. Paty Vilhena   •  

    Oi Bia!!

    Obrigada, não vejo a hora de tudo isso acabar e eu poder viajar!!

    Pois é, acho que vou me dar bem como au pair, como eu falei, eu procuro sempre ver o lado bom, porque assim eu aproveito muito mais as coisas!

    Beijos

  9. natalia   •  

    Que liiiindo esse poost! Vou ser au pair na Holanda e espero voltar com essa sensacao d q valeu a a pena

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *