4 meses na Inglaterra!

Aqui já é quase meia-noite, mas me deu uma vontade enorme de abrir uma página de texto em branco e começar a escrever de repente!

Acabei de voltar das minhas férias de 2 semanas no Brasil, ainda estou no maior jet-lag e cansada de um dia imenso e estressante de volta ao trabalho, mas ainda assim eu queria porque queria dar uma passadinha aqui, mesmo depois de tantos meses “escondidinha”.

Tenho tanta coisa pra contar! Eu sempre tenho, né?

Um dos motivos de eu querer escrever agora é porque me sinto muito sozinha, mas escrever nesse blog em todos os diversos momentos malucos da minha vida, em quatro cantos diferentes do mundo (Brasil, EUA, Alemanha e Inglaterra), sempre me deu a sensação de estar conversando em uma roda de amigos, cheia de gente querendo ouvir minhas histórias, meus dramas e meus conselhos bobos! Acho que meu hábito de falar muito é o que mais me motiva a continuar escrevendo… e agora que quase não tenho com quem conversar por aqui, dá mais vontade ainda! Que bom!

Por aqui tá tudo bem, a vida está sendo muito generosa comigo e eu agradeço todos os dias por isso! Mas às vezes esqueço e dou umas reclamadinhas por aí. Mas só reclamo mesmo de saudade e um pouquinho de solidão, pois às vezes essas coisas fogem do controle… mas logo passa e fico feliz de novo :) É aquela tal de homesick!

Quero contar mais da minha vida aqui pra vocês!

Já estou morando na Inglaterra há 4 meses, numa cidade bem pertinho de Londres chamada Rickmansworth. A cidade é uma graça, bem pertinho do trabalho (que fica em Denham). Moro do lado do metrô! Em 20 minutinhos chego em Baker Street, no centrão de Londres… mas confesso que nunca vou pra lá: primeiro porque tá sempre chovendo e segundo porque Londres é cara demais, então passeio mais pros outros lados! Pertinho mesmo daqui é Watford, onde fica o estúdio da Warner Bros com o famoso mundo de Harry Potter que postei no Snapchat quando fui com a Bru ano passado, lembram? Tem ônibus saindo da frente da minha casa até lá!

Mas é diferente vir pra turistar e vir pra morar, né? A gente acaba ficando expert em achar lugares descolados com preços melhores do que os “mainstreams” da cidade grande. Mas Londres tá no meu coração e vale a pena dar uma economizada pra passear lá de vez em quando. É um sonho de lugar!

Moro de aluguel num apartamento bem pequenininho, que é bem fofo e bem localizado, mas às vezes me deixa um pouco irritada. Mas aí lembro de como era difícil morar com o alemão lá em Stuttgart e paro de reclamar. Tem um monte de coisinha boba pra ficar de mimimi, como os móveis que não posso trocar, as janelas que não abrem, o armário que é minúsculo, a pia que é torta e a luz do quarto que não acende, mas isso é muito bobo comparado com a louça suja de todo dia que eu tinha que conviver e com as nojeiras no ralo do banheiro que eu tinha que lidar.

Difícil mesmo é continuar morando longe do Thomas e com as nossas vidas malucas, mal saber como fazer planos para morarmos juntos! Isso ainda me incomoda bastante e piora bastante a solidão que eu sinto nos dias de semana por aqui, mas aí o fim de semana chega e dá uma compensadinha. Assim como os problemas do apê, no meu relacionamento eu também penso que já passei por coisa pior: lembra quando morávamos em continentes diferentes? :)

Os primeiros meses no trabalho foram muito, mas muito difíceis mesmo. Eu estava tão perdida que nem conseguia dizer se estava gostando ou não, só me matei de trabalhar para conseguir fazer tarefas simples que pareciam um bicho de sete cabeças, para tentar aprender rápido e assimilar tanta informação diferente para poder me sentir útil novamente. De repente, começou a cair a ficha das coisas que eu pensei que nunca entenderia e vi uma luz no fim do túnel! Hoje eu gosto muito mais do meu trabalho e tenho orgulho do que eu faço e de todas as coisas que aprendi e que ainda aprendo diariamente. É um desafio gigante e constante trabalhar em uma empresa do tamanho da Bosch, ter responsabilidades imensas e ainda me virar sozinha no mundo profissional em uma língua que não é a minha nativa. Mas estou sobrevivendo e me saindo muito bem! Apesar das dificuldades, sinto orgulho das minhas conquistas no meio de tantos trancos e barrancos. Tive que abrir mão de muitas coisas, como morar com meu marido, estar perto da minha família e ter mais tempo para escrever, por exemplo, para crescer profissionalmente. Espero que continue valendo muito a pena!

Ainda não fiz amizades por aqui e confesso que não imaginei que seria tão difícil. Eu sempre faço amizades com facilidade e aqui tem sido um choque. Os ingleses não são frios, são reservados. Nunca pensei que entenderia essa diferença, mas hoje ela é muito clara pra mim!

No trabalho, as pessoas têm uma barreira muito visível entre a vida pessoal e profissional e são pouquíssimos os que se envolvem emocionalmente uns com os outros. Eu adoro todo mundo no escritório, me dou bem com todos e não tenho do que reclamar, fui muito bem recebida e sou respeitada pela minha experiência, profissionalismo, pelas minhas diversidades e pela minha história. Adoro meus colegas e acho que estou começando a construir uma amizade. Apenas uma, com o colega que senta ao meu lado.

Ainda que sejamos amigos, sei que não será aquela amizade como a que construí com a Maria Carla no trabalho, com a Camila, com a Bruna, com a Renata, com a Letícia… minhas melhores amigas foram colegas de trabalho! 4 foram minhas madrinhas de casamento! Olha só!

Trabalho com poucas mulheres e com poucas pessoas da minha idade. Dessas poucas, nenhuma mora perto de mim. Trabalho com apenas 1 brasileiro, que já mora na Inglaterra há 20 anos, têm família construída aqui e filhos. Nunca falou em português comigo e sentamos há poucos metros de distância. É estranho.

Sinto falta de uma amizade confidente, de como a Kainara foi pra mim, de como a Maria Carla foi pra mim. De poder falar de trabalho (na minha língua!), mas também tomar uma cerveja no fim do dia. De cantarolar Claudinho e Buchecha no carro e mandar um Faroeste Caboclo de trás pra frente. De falar de meninos, do namorado e agora do marido. Eu não tenho isso aqui, sabe? Alguém com a vida parecida com a minha é pedir demais? E eu não quero Skype. Não quero Whatsapp… quero presença. Mas quero também paciência, pois sei que logo logo vou conhecer um grupo legal de brasucas que moram por aqui e esse vazio esquisito vai se encher de novo! ;)

Enfim, esse foi meu desabafo e um pouquinho da minha vida aqui.

Já me sinto bem melhor, como se tivesse meio bêbada depois de tomar umas com vocês no pub ali da esquina.

Obrigada por me “ouvirem”.

Volto logo pra falar de boas notícias, de como é viver na Inglaterra, das férias no Brasil, do casamento no Brasil (esse sim foi o melhor dia da minha vida, gente), dos meus planos de viagens e tudo mais. E sei que estou em falta com vocês, tenho zilhões de e-mails, mensagens e comentários para responder… e eu responderei um por um! Prometo!

Beijo com saudades!

Bia

Comentários

Comentários

14 Comments

  1. Aline   •  

    Engraçado essa sensação de solidão, né? Eu me sinto assim tbm, apesar de morar com o marido e de agora ter um bebezinho nosso pra cuidar, faz a maior falta ter aquela presença de nem que seja uma amiga pra contar. Fica sempre aquele vazio… E olha eu aqui não dando nenhum consolo, haha, foi mal, mas me identifiquei super.

    Tô mandando paciencia pra vc e torcendo pra vc achar uma tchurminha descolada pra vc chamar de sua!

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Muito obrigada, Aline! Muita paciencia e alegrias pra voce tambem! :)
      Beijos pra vc e pra familia!

  2. Thais santana do nascimento   •  

    Oiii Bia!!! Até levei um susto quando vi que você postou algo rsrs Fica assim não Bia, como você mesma disse você já passou por coisa pior, então pensa nas coisas boas que aprendeu e viveu no meio disso tudo (pra chegar aí) e logo logo você vai estar cheia de bons amigos aí também. Torço por você! Beijos da Thais :)

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Oi Thais!
      Eu estou bem! So bate aquele aperto no coracao de vez em quando, sabe? hahaha mas nada grave!
      Muito obrigada por torcer por mim!
      Beijo bem grande!

  3. andressa   •  

    Que bom que você voltou! Vc é muito guerreira por encarar todos os desafios. Admiro muito. Beijos e escreva mais por aqui! <3

  4. JOÃO   •  

    Essa é minha lindinha. Como é bom ver vc escrever de novo. Acho que o “não escrever” é o que te deixa mais angustiada.
    Sempre disse que sou suspeito em meus comentários, mas “ler vc” é muito bom. E os coments de suas seguidoras retiram de mim essa suspeição. Por isso eu brado mesmo que vc escreve pra kraleo, com toda emoção, humor, e tudo o mais que nos faz sentir muito junto de vc ao ler seus textos.
    E ainda mais para papis e mamis, que morrem de saudades nessa lonjura.

    Não pare de escrever. Vale o sacrifício. E principalmente por vc também, pois eu sei o quão bem vc se sente escrevendo.

    Bjs

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Ah paiiii, voce eh demais!
      Com certeza nao ter tempo pra escrever me deixa muito angustiada, voce sabe o quanto amo fazer isso e eh dificil conciliar tudo! Mas de vez em quando acho um tempinho!
      Muito obrigada por sempre me apoiar!
      Te amo!!!
      Beijos

  5. Nayara   •  

    Lindaaaaa Bia! <3
    Comentei em algumas fotos no instagram "saudade de seu blog".
    Quase todo dia eu entrava pra ver se tinha algum post novo e não desistia hahaha
    E olha aí, post do dia 03/05 e eu lendo no dia seguinte haha
    E como sempre detalhista e emocionante!
    Tenho 2 melhores amigas, as duas morando em São Paulo e eu em Santos, damos um jeito de tomar aquela breja no boteco, assim que sobra um tempinho da loucura que vivemos aqui de trabalhar e estudar hahaha E sinto a mesma coisa com as amizades de faculdade e do trabalho, e eu sou como os ingleses.. reservada!! No trabalho, é cada um no seu quadrado. Mas não fique assim, conversa com a gente, sei que tem muita gente que te segue e faz como eu #aloka de entrar no seu blog sempre a espera de um post novo com o melhor da vida louca de Beatriz :P
    Um beijo enorme e boas vibrações pra você! Fica com Deus!

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Ahh Nayara, muito obrigada por compartilhar sua vida comigo tb! Nao eh facil!
      Eu nao sou nada reservada, sou super aberta e comunicativa… mas fica mais dificil quando as outras pessoas colocam uma barreira, neh?
      Mas tudo bem, vou me adaptando aos poucos e quem sabe conheco alguem por aqui! Se nao, volto pro blog, porque desde que escrevi esse post ja estou me sentindo bem melhor e menos sozinha :)
      Beijos e muito obrigada!!!

  6. Juliana Leal   •  

    Emocionada que você escreveu no blog!! Bia, eu sei que essa fase em que você se sente ”sozinha” é só mais uma fase ruim que tenho certeza absoluta que a senhorita vai tirar de letra, e depois vai vir aqui contar das suas novas amizades e como elas se divertem com esse seu jeito extrovertido e espontâneo de ser :)

    Beijos de luz pra tu e se escrever te faz feliz, trate isso como prioridade na sua vida!

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Hahahaha ai que delícia de comentário! Tb não vejo a hora de contar como já estou me sentindo melhor depois de ler tantas coisas boas e positivas.
      E escrever realmente me faz bem, então vamos lá!
      Beijos e muito obrigadaaa

  7. Nayara   •  

    Ai que saudade que eu tava de vir aqui e ler seus posts!
    Já te disse que fico muito feliz com tudo o que já aconteceu na sua vida, apesar de todos os perrengues né?
    E essa fase de se sentir sozinha logo vai passar, tenho certeza! Muitas coisas já aconteceram e você as superou, então esse é só mais um obstáculo que logo vai ser superado!
    Vou ficar torcendo pra logo logo você fazer umas amizades aí e ensinar pra esse povo inglês que ser muito reservado não tá com nada hahaha

    Bjos

    • Beatriz Morgado   •     Author

      Muito obrigada por toda essa positividade, Nayara! É disso que tô precisando!
      Beijo bem grandeee

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *